A Ler: Jardins de Canela, de Shyam Selvadurai [Bizâncio]

maio 26, 2013

Jardins de Canela
Título: Jardins de Canela
Título Original: Cinnamon Gardens
Autor: Shyam Selvadurai
Editora: Editorial Bizâncio
Ano de Publicação: 2003
Número de Páginas: 304

No elegante, mas sufocante mundo da classe alta de Ceilão (Sri Lanka), no início do século passado, duas pessoas solitárias, Annalukshmi e o seu tio Balendran, têm que escolher entre a felicidade pessoal e a provável destruição de outras vidas. Uma sonha com a independência, ao mesmo tempo que a sua família tenta, obcecadamente, arranjar-lhe o casamento adequado, enquanto o outro, um respeitável marido e pai, se vê confrontado com o passado e os seus desejos mais íntimos. Sensual e cativante, Jardins de Canela é um romance arrebatador que fala de emoções proibidas e da força interior daqueles que tentam não só resistir às pressões da sociedade, mas também lutar para alcançar a sua própria felicidade.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Oi,
    estou passando aqui para te avisar q tem um meme para vc no meu blog, espero q goste!:D

    Abraços e boas leituras!

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.