Li até à Pág.100 #51

fevereiro 25, 2014

- The Black Death -

Primeira frase da página 100:
"'I am ever entirely content with what is mine, Lord Rober."

Do que se trata o livro?
Sinceramente, ainda não sei. Isto é, através da sinopse sei, mas para já ainda está numa fase de apresentação de personagens, e de como chegam à história propriamente dita.

O que está achando até agora?
Apesar de estar a achar o livro um pouco confuso, estou a gostar. As personagens são complexas e ainda estou a tentar compreendê-las, mas parece-me muito bom até agora.

O que está achando do protagonista?
Ainda não consegui perceber quem é ao certo o protagonista, portanto não posso elaborar muito.

Melhor quote até agora:
Nenhuma.

Vai continuar lendo?
Sim.

Última frase da página:
"'I assume that we now ride for Durham, there to seize that fair city before troops can be marshalled from the south?'"

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.