Teaser Tuesday #11

setembro 23, 2014



"Zhahar deu um salto em frente para ajudar Lee, mas foi puxada para trás pelo homem que tinha vindo com Glorianna.
- Não, não, não, não, não - disse ele, puxando-a. - Esta briga já devia ter acontecido há muito tempo, e não queres meter-te ali no meio. Confia em mim.
Assim que Glorianna deu o murro, o chão à volta de ambos transformou-se em lama até aos joelhos. Ela escorregou e caiu com o rosto no chão. Lee, que tinha saltado para trás para se desviar, aterrou sobre o traseiro. Rosnando um para o outro, conseguiram levantar-se até ficarem de joelhos e começaram a atirar lama.
- Numa das paisagens, atirar lama é uma tradição consagrada por resolver alguns tipos de disputas - disse o homem de cabelo escuro enquanto soltava Zhahar. - Dá-lhes alguns minutos. Ficaremos todos melhores por causa disto. - Lançou-lhe um sorriso que dizia que ele gostava mesmo de mulheres. - Sou o Sebastian. És a Zhahar?"

Pág. 258

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.