Booking Through Thursday #13

outubro 16, 2014


Obscuro

Qual é o teu género favorito que outras pessoas podem não ler? Mistérios, romances, crimes reais... todos estes são géneros bastante conhecidos. Mas leitores a sério não se limitam apenas aos grandes géneros... portanto qual é o teu tipo de livro favorito de géneros menos conhecidos? Sobre cães? Clubes de tricot? Corridas espaciais? Teoria matemática?

Para além do que eu normalmente leio... só há algo de que nunca falo, mas principalmente porque não vem a propósito. Livros de culinária, sou há bastantes anos viciada nisso, e só deixei de os coleccionar devido à facilidade da internet no que toca a encontrar novas receitas. Mas em miúda era capaz de passar uma tarde inteira a folhear livros de receitas, e perdia-me sempre na parte dos bolos e bolinhos... os doces sempre foram as minhas preferências :)

Tirando isto, e mesmo isto não é um género tão pequeno quanto isso... mas pronto, é um do qual poucas pessoas sabem sobre mim, acho que não leio mais nada que se enquadre nesta resposta. E vocês, têm algum tipo de leitura que quase ninguém sabe?

You Might Also Like

2 comentários

  1. lol,

    Tens que dar ai umas receitas à malta ehehehe, de uma francezimha por exemplo :D

    Não acho que não me acontece :)

    Bjs

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.