Especial Halloween 2014: Livros & Filmes [Dia 7]

outubro 30, 2014

Para celebrar o Dia das Bruxas este ano, até dia 31 vou deixar-vos diariamente uma sugestão de um livro adaptado para o cinema. Espero que gostem e digam-me se vão aproveitar alguma sugestão ou, já conhecendo, quais as vossas opiniões.

O Corvo

O corvo (edição especial)

O Corvo foi criado originalmente numa história por James O’Barr depois de uma tragédia. Em 1978, a namorada de James foi atropelada por um motorista bêbado. James perdeu o controle. Acabou se alistando no exército e foi enviado para servir na Alemanha. Foi lá que, nas horas vagas, escreveu e desenhou as primeiras quarenta páginas de O Corvo em 1981. Sua tristeza e revolta com a morte da namorada deram o tom violento e melancólico a personagem.


Nunca li o livro que deu origem a um dos meus filmes favoritos de sempre, mas mais por falta de oportunidade do que por qualquer outra coisa. Desde que vi o filme pela primeira vez há uns anos atrás, e depois de me ter apaixonado instantaneamente, todos os anos tento rever no dia 30 de Outubro (daí ter saído hoje). Quem viu entende porquê! Com uma história imensamente triste à volta da realização deste filme, O Corvo com Branden Lee é uma obra-prima, obrigatório. Romântico e negro... é perfeito. E nem me venham falar em novos Corvos, este é e será para todo o sempre o único para mim.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Ena não sabia que tinha um livro que fala sobre a nossa especie ehehehe, mas parece sem duvida um livro interessante, registado ;)

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda gostaria de o ler... já o filme, é obrigatório!

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.