365 Dias de Livros #5

janeiro 06, 2015

Hoje é dia de mais uma obra de arte... Linda linda linda!


Edição de Coleccionador da Trilogia das Jóias Negras, de Anne Bishop. Comprei-os sem ter a mínima ideia do que seria, sem conhecer a autora... mas foi uma aposta mais do que ganha, apaixonei-me à primeira e a caixa é muito bonita.


«Anne Bishop já conquistou a legião de fãs de Julliet Marillier. Mais ousada e criativa. Igualmente arrebatadora.» 
Indianapolis Star

«Uma leitura repleta de prazer para os fãs de histórias com uma enorme carga emocional e para quem gosta de personagens complexas e reais.» 
Booklist 

«Tremendamente sensual… Ricamente detalhado, o cenário de Bishop é baseado num mundo onde se revertem todos os clichés do género fantástico. Simplesmente genial.» 
Library Journal 

Não podia estar mais de acordo...


Digam lá, é ou não é uma coisa linda? :)

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.