365 Dias de Livros #7

janeiro 08, 2015

Ontem foi-me mesmo impossível actualizar esta rubrica, portanto hoje chega em dose dupla!


Boleia Arriscada, de Stephen King!

"Boleia Arriscada" fecha o ciclo iniciado em "Tudo é Fatal", ficando assim completo o conjunto de narrativas intensas, feéricas e arrebatadoras que Stephen King reuniu no livro de contos "Everything's Eventual"


Um livro que reúne alguns contos de King, e que li durante o Verão de 2011. Aliás, ao ler este livro foi quando tive o primeiro impulso de criar um blogue como hoje o Eu e o Bam é. Mas na altura tive muita vergonha, pouco conhecia do universo blogger, e desisti da ideia. Tudo começou por ter achado que nem todos os contos eram bons - o que, claro, é perfeitamente natural. Não é por gostar imenso de King que vou adorar toda a sua obra, como é óbvio pela minha opinião de Children of the Corn (vejam aqui). E por haver uma experiência tão diferente de conto para conto é que quis elaborar essa linha de pensamento, num blogue. Ainda o cheguei a criar, mas depois apaguei tudo, e o que conhecem hoje só viria a nascer nos finais do ano seguinte.


Numa altura em que eu ainda comprava livros pelo Círculo de Leitores...

You Might Also Like

3 comentários

  1. Não tem interessa na venda por acaso? xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, para além de eu não vender livros, muito menos livros que eu adoro xD

      Eliminar
  2. Como eu a compreendo. Mas não custa tentar ahah xD Boas leituras!

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.