Teaser Tuesday #16

fevereiro 10, 2015


"Lenda?
  Virou a cabeça de leve; parecia um milagre quando ela fechava os olhos, porque então a vida visível desaparecia totalmente. Uma coisa morta e perfeita, os lindos cílios negros maravilhosamente recurvados. Olhei para sua garganta, para o azul-claro da artéria sob a pele, subitamente visível, como se ela quisesse que eu a visse. O desejo que senti foi insuportável. A deusa, minha! Tomei-a brutalmente, com uma força que teria ferido uma mulher mortal. A pele gelada parecia absolutamente impenetrável, e então meus dentes a romperam, e a fonte fervente jorrou para dentro de mim outra vez.
  As vozes voltaram, mas tornaram a sumir quando ordenei. Então não havia coisa alguma exceto a torrente de sangue e o coração dela batendo lentamente junto ao meu."

Pág. 216

You Might Also Like

2 comentários

  1. De repente pensei que fosse sobre o filme... não gostei nada dele. Mas adorei o livro :p

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já vi o filme e não morri propriamente de amores por ele, agora vou ver novamente assim que acabar de ler, que é para analisar as diferenças :)

      Para além do mais, o Stuart Townsend não é lá muito bom a fazer de Lestat...

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.