Teaser Tuesday #20

maio 05, 2015


"Desci a Calle de las Sierpes. A casa de esquina onde Alma vive e trabalha é no segundo andar, defronte do Monasterio de San Pablo. Ali provê as necessidades dos seus fiéis. As portadas da varanda estavam abertas de par em par, e os brancos cortinados de algodão esvoaçavam para o ar da rua como uma mulher a sacudir as saias. Sorri de antegosto, ciente de que os dois anos volvidos sobre o fim do aprendizado de Alma comigo somente podiam ter aprimorado a sua mestria já de se extraordinária.
- Don Juan? - disse Lenora, a sua dueña, ao abrir-me a porta. Alma tem uma falsa dueña, que a ajuda a desempenhar o papel de grande dama. As mais caras cortesãs, todas têm uma.
- Doña Alma está... disponível?"

Pág. 180

You Might Also Like

2 comentários

  1. Li recentemente este livro e gostei imenso! Confesso que não é o que esperava, o que neste caso não importa pois conseguiu de facto surpreender-me pela positiva. Boas leituras! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Andreia,

      É como eu! Estou na recta final do livro, em que Don Juan decide partir com a mulher por quem se apaixonou (a tentar ser o mínimo spoiler aqui!), mas apanham-no primeiro... Estou a gostar mesmo muito ^^

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.