Adeus 2015!

dezembro 31, 2015


Desejo a todos os meus leitores um novo ano repleto de tudo aquilo a que têm direito. E tendo em conta que o blogue continua um pouquinho às cambalhotas, aproveito para me abrir um pouco convosco...

O abandono a que o Eu e o Bam esteve sujeito este ano, apesar de mau para o blogue, representou na minha vida mudanças brutais. Mudanças fantásticas mesmo. Faz hoje um ano, não tinha noção do que 2015 me esperava. Hoje, digo-vos que foi um ano excelente, que me trouxe tudo o que eu podia pedir... Uma nova vida, em todos os sentidos. Mudou quase tudo... menos o Bam e os livros :)

Portanto, queridos leitores, desejo-vos do fundo do coração que 2016 vos traga tudo o que precisam para se sentirem completos. Não temam a mudança, não temam arriscar... se não seguirem as minhas recomendações literárias, ao menos sigam este conselho :) vivam!

Feliz Ano Novo!

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.