A Linguagem Secreta das Irmãs, de Luanne Rice - Sinopse & Opinião [Marcador]

agosto 28, 2016

A Linguagem Secreta das Irmãs
Título: A Linguagem Secreta das Irmãs
Título Original: The Secret Language of Sisters
Autora: Luanne Rice
Editora: Marcador
Ano de Publicação: 2016
Número de Páginas: 336

Quando Ruth Ann (Roo) McCabe, ao volante do seu carro, responde a uma mensagem de texto, no telefone, a sua vida, tal como era até então, termina. O carro capota e Roo acaba numa cama de hospital, paralisada. Silenciosa. Todos pensam que está em coma, mas Roo tem síndrome de encarceramento –consegue ver, ouvir e compreender tudo à sua volta, mas ninguém sabe. Mathilda (Tilly) é a irmã de Roo e a sua melhor amiga. Foi ela quem enviou a mensagem de texto a Roo e, inadvertidamente, causou o acidente. Tilly tem agora de lidar com a sua culpa avassaladora e com os seus sentimentos crescentes pelo namorado de Roo, Newton –a única pessoa que parece perceber aquilo que Tilly está a passar.
Mas Tilly pode ser a única pessoa capaz de resolver o mistério da situação da sua irmã –aquela que consegue ver a verdade através do silêncio de Roo.

***********************

Por vezes sentimos necessidade de ler um livro só porque sim. Não há propriamente nada a puxar-nos para ele, mas sentimo-nos incrivelmente atraídos para si; foi assim com A Linguagem Secreta das Irmãs.

É um livro que se lê extremamente bem, com uma história poderosa, e que penso que afecta os leitores de dois mundos diferentes, através de um aspecto distinto: ter irmãos.
Eu tenho uma irmã - eu sou uma irmã. E nunca este simples facto foi tão real para mim do que enquanto lia este livro. Quase que senti pena de quem é filho único e não sabe o que é ter alguém que, simplesmente, está lá. Pode ser uma ligação instantânea, pode demoras anos, mas saber que a minha irmã - ou a vossa - está lá, sempre estará, é uma sensação brutal. Assim sendo, penso que a experiência desta leitura irá ser diferente para quem é irmã e saberá o que é dito naquelas páginas, e para quem não é e, por mais que goste da história, nunca saberá o que é verdadeiramente identificar-se com aquelas linhas. Se, por algum motivo, estiverem chateados com os vossos irmãos, este livro vai-vos dar vontade de ir fazer as pazes, de imediato.
Depois, tantas coisas que este livro ensina... mas, principalmente, a não tomar as coisas por certo e a ter cuidado na estrada. Nunca pensei escrever um comentário a um livro e dar relevância a isto, mas a verdade é que a história se baseia numa realidade, infelizmente, bastante comum. E é um assunto que mexe bastante comigo, e não podia deixar de o mencionar aqui: a falta de atenção na estrada. Desviem os olhos por um segundo e podem destruir a vossa vida e a de outros.
Voltando ao livro: que leitura emocionante! Devorei. É fácil criarmos laços com as diferentes personagens, embora tenha de admitir que a atitude de Roo perante o médico que a trata e Newton me enervou um pouco. Tirando isso, personagens fantásticas e uma história trágica mas com espaço para a inocência de novos amores, para a doçura das eternas lembranças e um bem-vindo humor.
Esperava um final feliz - 100% feliz, entendam-me. Custou-me acabar a leitura e despedir-me de Roo e de Tilly, principalmente mais de Tilly. Não conhecia Luanne Rice e, se consegue criar personagens tão poderosas numa escrita mais juvenil, imagino o resto da sua obra.

A Linguagem Secreta das Irmãs é um lamento cantado a duas vozes, onde o medo e a esperança andam de mãos dadas. Uma leitura obrigatória!

You Might Also Like

2 comentários

  1. Sou filha única e fiquei cheia de vontade de embarcar nessa leitura :)
    Beijinho

    Lina Soares
    http://trintaporumalinhanoticias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,

      Obrigada pela tua visita e comentário ^_^ Lê, não te arrependes. É mesmo muito bom :)

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.