Prendas! #3

dezembro 06, 2016


Wook.pt - A Culpa é das Estrelas - Edição limitadaWook.pt - As Receitas de Natal do Jamie OliverWook.pt - Maus

Para ela e para ele, para as nossas caras metades. A Culpa é das Estrelas parece-me um livro bem romântico e que nos faz dar valor às pequenas coisas do nosso dia-a-dia para ser lido a dois. A dois são também para fazer As Receitas de Natal, porque em mais nenhuma altura do ano eu tenho tanta vontade de tentar novas receitas - leia-se doces - do que no Natal. Por fim, um clássico da banda desenhada, Maus. Para aqueles namorados que nem sabem se gostam de ler, mas uma BD vem sempre a calhar.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Este ano vou dar ao meu namorado o livro "O Exorcista". Não sei como vai correr porque ele nunca leu um livro na vida, mas adora tudo o que são filmes de exorcismos e pareceu-me entusiasmado quando conversamos sobre a possibilidade de ler o livro.
    Vamos ver como corre! Pelo menos posso ler eu também o livro e já não será um desperdício total :P

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.