Livros #1 | Para os Amantes de Chocolate

julho 07, 2018

Resultado de imagem para chocolate gif

Hoje, dia 7 de Julho, celebra-se o Dia Mundial do Chocolate. E quem não gosta deste alimento dos deuses? De qualquer forma e feitio, o chocolate cai-me sempre bem e vê-lo descrito nas páginas de um livro não só junta dois prazeres como desperta o apetite para um quadradinho, apenas um quadradinho... de cada vez 😁

Portanto, em honra deste amigo, hoje trago-vos uma lista de livros onde podem encontrar este ingrediente como parte da narrativa. Quantos é que já leram?

Chocolate (Chocolat, #1)
Chocolate, de Joanne Harris

A aldeia de Lansquenet-sur-Tannes tem duas novas moradoras: Vianne Rocher, jovem mãe solteira, e a sua filha Anouk. Ambas correram mundo e querem agora estabelecer-se, pelo que Vianne pensa montar um negócio. Um negócio aromático e guloso mas, naquelas paragens, pouco comum: uma chocolataria com o nome de "La Céleste Praline". Para a aldeia, "La Céleste Praline" e a sua encantadora proprietária são um sopro de ar fresco frente à tirania de Francis Reynaud, um jovem padre de uma austeridade a raiar o fanatismo, que não oculta o seu desagrado por um comércio demasiado sofisticado e "tentador", e que vê em Vianne um desafio à sua autoridade. Frente a ele, a jovem Vianne só pode apelar à alegria de viver das gentes de Lansquenet...

Como Água para Chocolate
Como Água Para Chocolate, de Laura Esquivel

Neste romance surpreendente e admirável, que revelou ao leitor português uma grande escritora mexicana, toda a trama narrativa roda em torno da cozinha e de um certo número de elementos culinários. Cada capítulo abre com uma receita fora do comum (mas ao mesmo tempo perfeitamente realizável), a pretexto e em volta da qual não apenas se juntam os comensais, mas também se “cozem” e “temperam” amores e desamores, risos e prantos, e se celebra o triunfo da alegria e da vida sobre a tristeza e a morte. Através dos amores proibidos de tita e Pedro, Laura Esquivel retrata-nos o México rural dos princípios deste século e tece um hino inesquecível ao prazer dos sentidos e à liberdade criativa da mulher.

Charlie e a Fábrica de Chocolate
Charlie e a Fábrica de Chocolate, de Roald Dahl

Ninguém sabia o que acontecia dentro daquela fábrica de chocolate. Havia gente trabalhando nela, claro, mas ninguém entrava e ninguém saía. Só saíam os doces e os chocolates, bem embrulhadinhos, prontos para serem vendidos. Um dia, os portões da fábrica abriram-se para os cinco felizardos vencedores do Cupão Dourado - e o mistério desvendou-se. O leitor é convidado a conhecer o rio de chocolate, a relva de açúcar mentolado, os caramelos de cabelo e mil outras delícias - tudo isso na companhia do incrível Sr. Wonka, o dono da Fantástica Fábrica de Chocolate.''

Death by Chocolate: Redux
Death by Chocolat, de David Yurkovich

O agente Swete - um herói improvável feito de chocolate e membro da divisão de Crimes de Comida do FBI - e o seu parceiro, Anderson, investigam uma série de crimes bizarros e inspirados em comida. Pelo caminho eles encontram diferentes personagens, incluindo um canino extraterrestre chamado Geoffrey, o escritor Hemingway, um lorde do crime cuja intenção é encontrar a massa da eternidade e um trio sombrio chamado Os Metaboladores.

Dying for Chocolate (A Goldy Bear Culinary Mystery, #2)
Dying for Chocolat, de Diane Mott Davidson

Conheça o Goldy Bear: uma caterer brilhante, cheia de opiniões e descontroladamente inventiva, cuja vida pessoal tornou-se uma receita para o desastre. Com um ex-marido abusivo que gosta de fazer ameaças sem sentido, uma série de contas que está a tirar uma grande quantidade do seu orçamento e dois homens sedutores a bater à sua porta, Goldy muda o seu negócio e leva o seu filho para o chique Aspen Meadow Country Club, onde aceita um emprego como cozinheira. Mas assim que começa a pensar que está a conseguir - jantares decadentes e piqueniques da sociedade, ao mesmo tempo que desfruta dos favores de Philip Miller, um belo psiquiatra local, e de Tom Schulz, o polícia da vizinhança mais que amigável - o médico inexplicavelmente conduz o seu BMW contra um autocarro que se aproxima. Convencida de que a morte bizarra de Philip não foi um acidente, Goldy decide fazer um pouco de investigação por conta própria. Mas peneirar os segredos intragáveis ​​da vida do médico morto irá lançá-la num caso temperado com perigo inesperado e revelações ainda mais inesperadas - o tipo que poderia matar a si e ao seu filho.

Chocolate Fever
Chocolat Fever, de Robert Kimmel Smith

Henry Green é um miúdo que ama chocolate. Ele gosta dele amargo, doce, escuro, light e todos os dias; para o pequeno-almoço, almoço, jantar e lanches; em bolos, barras de chocolate, leite e qualquer outra forma que se possa imaginar. Henry provavelmente gosta mais de chocolate do que qualquer outra criança na história do mundo. Um dia - que começa como qualquer outro dia - Henry descobre que coisas estranhas estão-lhe a acontecer. Primeiro ele faz história na Medicina com o único caso de Febre do Chocolate. E então ele encontra-se preso numa perseguição selvagem e hilariante, culminado num sequestro muito incomum.

O Clube das Chocólatras
O Clube das Chocólotras, de Carole Matthews

Chocolate. Esta não é uma palavra tão simples quanto parece. Pode significar a cura para uma dor de cabeça e até determinar o perfil psicológico de uma pessoa - pelo menos para Lucy Lombard. Lucy e três grandes amigas - Autumn, Nadia e Chantal - unem-se para, com a ajuda de muito, muito chocolate, enfrentar difíceis problemas quotidianos: um namorado galinha, um chefe atiradiço, um marido viciado em jogo, um casamento sem amor... Afinal, existe algo melhor para aliviar tensões, curar corações partidos e originar uma história tão doce e divertida como esta?

The Chocolate ThiefThe Chocolate KissThe Chocolate Rose
The Chocolate TouchThe Chocolate HeartThe Chocolate Temptation
Série Amour et Chocolat: The Chocolate Thief, The Chocolate Kiss, The Chocolate Rose, The Chocolate Touch, The Chocolate Heart e The Chocolate Temptation, de Laura Florand

Amor. Chocolate. Paris. Que atire a primeira pedra quem não gostaria de ter essas três coisas misturadas numa aventura inesquecível. Cade Corey é uma jovem executiva que cuida do negócio bilionário de chocolate da família, uma empresa popular nos Estados Unidos. Sonha em construir uma linha premium dos seus produtos, e, como boa conhecedora do seu negócio, sabe que encontrará o chocolate perfeito em Paris. Na verdade, o chocolate perfeito está, mais especificamente, nas mãos igualmente perfeitas de Sylvain Marquis, o melhor chocolatier da cidade. O problema é que Sylvain recusa-se a associar a sua arte a uma grande empresa que só pensa em destruir a sua técnica para reproduzi-la em grande escala. Isso para ele é um insulto, e não uma proposta! Contudo, embora o francês jure que está em paz para continuar a vida, aquela americana teimosa não lhe sai da cabeça. E Cade sente o mesmo: adoraria simplesmente fechar negócio com outro especialista parisiense, no entanto, não consegue esquecer os olhos cortantes de Sylvain e a sua personalidade arrogante, porém tão viciante quanto os seus doces. Paris está prestes a ficar pequena para o que existe entre eles.
Podem conhecer o resto da série aqui.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Como Água Para Chocolate é fantástico, mas nunca mais encontrei à venda :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu lembro-me de ter visto o filme há bastante tempo, mas o livro nunca li. Acho que o vi à venda há relativamente pouco tempo, em alguma Feira do Livro... mas posso estar a confundir!

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.